Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Será que todos ganharam?

por ., em 05.10.15

Sem Título.png

Depois de apurados os votos dos portugueses parece que não existe derrotados nem vencedores. 

O PSD/CDS-PP ficou na frente mas perde a maioria, na teoria são os mesmos que vão governar, mas na prática e ao contrário do passado, apenas vão governar se os outros partidos assim o quiserem. 

O PS  que no inicio tinha tudo para ganhar estas legislativas com maioria absoluta, perde pela péssima campanha que fez,  pelas sombras do passado, pela arrogância do presente e pela ausência de alternativas para o futuro. Na teoria não ganha, e não tem poder de governar, na prática ganhou um poder enorme em que o PSD/CDS tem de pedir autorização ao PS para governar. 

 

Fico triste quando existe 16 partidos que estão presentes no boletim de voto, mas para os Portugueses apenas existem 2 partidos e mais 3 para para alguns demonstrar o descontentamento, os Portugueses mostraram mais uma vez que são fieis aos mesmos partidos. Mas fico ainda mais triste quando existe 16 partidos e nenhum deles apresenta alternativas sérias nem para governar, nem para discutir assuntos que apesar de ser importantes são sempre esquecidos na assembleia. 

 

Mas o que interessa agora é o resultado final, o PS tem de assumir um acordo com o PSD, até porque se não o fizer, o PS arrisca-se a ficar ainda mais mal na fotografia, se o PS obrigar uma segunda ronda acredito que irá perder e neste caso em tudo. 

O país tem aqui uma oportunidade para juntar os recursos dos vários partidos e criar em conjunto um plano de recuperação da economia, para combater o desemprego, melhorar o ensino e a saúde tornados mais eficientes e menos gastadores de recursos. 

 

Vamos ver qual será o primeiro partido a não aguentar a pressão. 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:58

PS quer ex-alunos a financiar universidades.

por ., em 29.04.15

Uma ideia diferente que para mim se deve considerar. O objetivo é que os ex-alunos contribuam com uma pequena parte do seu IRS para a universidade que os formou, para o ex-aluno não tem qualquer custo apenas parte do IRS deixa de ir diretamente para o Estado e vai para financiar a Universidade. 

 

Esta medida serve não só para financiar as universidades, mas também para que estas tenham uma maior preocupação de colocar os seus alunos no mercado de trabalho, assim como, irá fazer com que as universidades tenham um maior cuidado nos cursos que disponibilizam dando preferência aos cursos que realmente Portugal necessita e que contribuem para a Economia. 

 

A proposta dos socialistas passa por consignar parte do IRS pago pelos ex-alunos de cada universidade ao seu financiamento. Ou seja, à medida que os alunos terminem a sua licenciatura as universidades e politécnicos vão comunicar ao Fisco quem são os seus antigos estudantes. Quando os diplomados entrarem no mercado de trabalho uma parte do seu IRS passa a ser consignado às instituições de ensino superior que frequentaram. Isto sem que exista um aumento da carga fiscal para os ex-alunos.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:20

Sócrates, para quem tem memoria curta eu relembro.

por ., em 08.02.15

 

- Culpo este governo (governo atual)  por favorecer os mais fortes, por não lutar contra a corrupção, não criar politicas anticorrupção que sejam igual para todos, por não terminar com as regalias de alguns grupos económicos e de alguns profissionais do sector público, por não baixar a despesa do estado onde existe margem para baixar (que implica acabar com regalias), por ter deixado a justiça na mesma forma que a encontrou - uma m@rd*. 

 

- Este governo deixou a educação mais frágil (de forma incompreensível e por falta de competência). 

 

Mas este governo está a conseguir ultrapassar uma enorme crise financeira que foi deixada em especial pelo senhor que se segue (mas não só). Mas o grande mérito de não estarmos numa situação pior não é deste governo, este governo apenas segui o caminho mais fácil, obedecer às entidades externas mesmo implicando mais sacrifícios para os Portugueses. 

 

Resumindo, este governo pouco ou nada fez de util, apenas obedeceu às entidades externas prejudicando os Portugueses. Mas e se fosse o senhor que se segue?

 

Deixo um vídeo para quem culpa este governo de ter aumentado os impostos e de ter seguido o caminho da austeridade. Este vídeo já é antigo, a este vídeo pode-se acrescentar a atualidade que todos nós já conhecemos....  Fico revoltado quando ainda vejo pessoas a defender o Sr. Sócrates. 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:45

O medo de perderem novas regalias no futuro fez com que PSD e o PS retirassem proposta subvenções vitalícias a ex-políticos

por ., em 21.11.14

 

Estava tudo certo, os maiores partidos da oposição tinham chegado finalmente a um acordo (coisa que não acontece à muito tempo em temas fundamentais para o país) sobre um tema que agradava a todos, repor as subvenções vitalícias a ex-políticos. 

 

A proposta veio dos deputados  José Lello (PS) e Couto dos Santos (PSD) com o apoio dos seus partidos, a ideia era esta proposta ser aprovada em segredo, mas o BE (Bloco de Esquerda) exigiu a votação da proposta em plenário e a partir dai houve movimentações  no PSD no sentido de inverter a situação.

A proposta apresentada pelo PSD e PS foi noticia nos vários meios de comunicação, os "outros" partidos opuseram-se sobre a medida, o medo do PS E PSD perderem votos ou no futuro perderem ainda mais regalias e antes que esta proposta de roubo fosse ainda mais divulgada retiraram-se. 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:58

O primeiro grande desafio do Seguro é manter-se à frente do PS.

por ., em 29.05.14

 

Não foi as eleições, não foi fazer frente ao atual governo, o grande desafio do Seguro é e sempre foi conseguir-se manter à frente do PS. 

 

Sempre me questionei da intensão do PS em eleger o Seguro para a frente do partido, será que não foi uma estratégia, se todos sabíamos que iriamos ficar dependentes da troika, que o partido atual iria ficar mal visto pelos portugueses devido à obrigação de austeridade, sabendo que, o Seguro por mais crises politicas que houvesse ( e houve) nunca iria conseguir deitar o governo abaixo, assim, passava os tempos difíceis para depois meter um verdadeiro candidato para as próximas eleições. 

 

Claro que não deve ter sido nada disso, mas se foi, foi muito bem jogado. 

 

De qualquer das formas, iremos ver o que vale o Seguro, se o Passos Coelho aguentou com várias crises politicas, com pressão de partidos, sindicatos... será que Seguro irá aguentar com a uma crise que está apenas no seu partido, sem ter pressões externas a não ser partidárias?

 

Se o Seguro aguentar a forte concorrência do Sr. Costa, podemos dizer que Seguro é mais forte e capaz do que faz parecer, se não aguentar é porque não tem competências para estar à frente do País..... ( na verdade, o Passos também não tem competências para estar à frente do país, mas que é persistente, isso é)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:58

As medidas de Seguro, será a alternativa (ps) que todos esperamos? (part II)

por ., em 21.05.14

 

A continuação do meu comentário às medidas do Seguro, quem não viu a primeira parte pode ver aqui

 

 

9.- Não aumentar a carga fiscal na próxima legislatura. "Será a primeira vez que um Governo empossado neste século não aumentará a carga fiscal", prometeu Seguro.

 

 

Mais uma vez qual o fundamento? Tendo uma divida brutal, estando completamente dependente dos mercados, com prováveis crises politicas internas a acontecer no futuro em Portugal e os juros a subir, como é que ele sabe que pode cumprir esta promessa, não sabe, mas isso é politica. 

O facto de ele dizer esta afirmação, significa que concorda com o aumento dos ultimos anos na Carga Fiscal, que foi necessária mas que já não é preciso aumentar mais, se assim não fosse, deveria ter dito que , iria baixar a enorme carga fiscal presente em Portugal. 

 

 

10.- Na Saúde, separação entre o sector público e privado: profissionais de saúde têm de trabalhar em exclusividade para o Serviço Nacional de Saúde. Será feito de forma gradual, isto é, só se aplica aos profissionais recém-formados.

 

Aqui poderei estar de acrodo, é necessário acabar com a facilitismo dos médicos poderem receber dinheiro do público estando a trabalhar no privado. Mas acho que deveria de ser para todos e não só para os profissionais recém-formados. 

 

 

11.- Na Educação, reduzir a taxa de abandono escolar dos actuais 20% para 10% durante a próxima legislatura.

 

Blá, blá, blá.... e "acabar" com os sem abrigo em Portugal, reduzir a criminalidade em 100%, acabar com o desemprego jovem..... Por essa teoria também posso ser um bom politico, é necessário explicar como pretende fazer, dito assim eu não acredito

 

12.- O PS recusa o plafonamento das contribuições para s Segurança Social.

 

Aqui acho que é urgente fazer alguma coisa. Haver limites máximos nas reformas (de 3000€ por exemplo), haver possibilidade de escolha entre descontar para o público ou o privado. Acho que é necessário mexer na Segurança Social, estudar várias alternativas, ter em conta as pessoas que não confiam no estado e por isso não querem descontar para ele... Mudar, encontrar alternativas para que os Jovens ainda possam ter esperança em poder vir a receber um reforma. 

 

13.-No âmbito da consolidação das contas públicas, o Partido Socialista compromete-se a cumprir as metas do Tratado Orçamental, alcançando uma meta de 0,5% do défice a médio prazo. Seguro defendeu ainda a necessidade de "renegociarmos as condições da dívida pública".

 

Esta medida é muito difícil tendo em conta as outras medidas apresentadas anteriormente, mas não quer dizer que seja impossível. Neste ponto estou de acordo com o Seguro, acho que devemos, como ele sempre defendeu, tentar negociar a nossa dívida pública que é insuportável e é impossível de pagar, tentar não custa. Mas talvez devêssemos ter tentado negociar quando não estávamos dependentes dos mercados como agora estamos. 

 

 

14.- Promover a reforma do Estado: olhando para a Administração Pública, promover de forma mais eficiente os seus recursos, alterando os processos, mas sem fazer cortes.

 

Promover a reforma do Estado? o que é que isso significa? o que é que se pretende dizer com "promover"? Ou se faz ou não se faz, sempre me lembro de ouvir falar na reforma do estado, pois bem, esta reforma já dura à muitos anos e acho que a devemos de a concluir, ou neste caso iniciar. Acha que a Administração Pública funciona mal, que deve ser melhorada, que se deve aplicar modelos de gestão mais eficientes, que se deve tirar melhor partido dos recursos, principalmente dos recursos humanos da administração pública. Neste caso, até acho que se poderia ponderar ser um consultora externa a fazer isto, desde que os resultados justificassem o custo, mas que como as coisas funcionam muito mal acho que poderia justificar com uma maior eficiência. 

 

 

15.- Defender uma nova agenda europeia: Seguro defendeu a criação de novos instrumentos que combatam a especulação dos mercados, um papel mais activo do BCE, a mutualização de parte da dívida e garantias de acesso ao crédito para empresas portuguesas comparáveis às de outros Estados-membro.

 

Eu concordo, acho que deveria de haver instrumentos que protegem-se a instabilidade de alguns estados-membros, mas isso não quer dizer que depois podemos cometer os erros que quisermos, porque como sabemos, os outros estados-membros querem tirar proveito desta situação. 

Já que falamos na Europa e que vem ai eleições europeias, acho estupido, bizarro.... ser apenas um país a mandar na Europa. Tambem, acho que se deveria apressar as coisas para que todos os cidadões europeus tenham exatamente as mesmas condições, não só no acesso à saúde, mas educação... com livre circulação e em toda a Europa, com um sistema fiscal comum, com um sistema de reformas comum.... 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:01

As medidas de Seguro, será a alternativa (ps) que todos esperamos? (part I)

por ., em 19.05.14

 

 

Foi publicado no economico as 15 medidas que Seguro "Promete" se for eleito, hoje apresento a parte 1 com a minha opinião sobre as medidas. 

 

1- 1.- Acabar com a "TSU dos pensionistas" que é um corte retroactivos nas pensões: Seguro propõe-se a eliminar a Contribuição de Sustentabilidade. Para suportar a medida do ponto de vista orçamental o PS propõe ir buscar receita aos fundos de investimento imobiliário, alienar património não estratégico do Estado e taxar as transacções financeiras. Recorde-se que a aplicação da CES está em análise no Tribunal Constitucional.

 

Acabar com a TSU dos pensionistas parece-me bem, mas em contrapartida quer ir buscar dinheiro aos fundos de investimento imobiliário, não explicar como pretende sacar o dinheiro aos fundos de investimento imobiliário, para mim, não conta. Outra forma é taxar as transacções financeiras, parece-me uma medida que pode ser um pouco polémica. 

 

2.- Revogar os cortes no complemento solidário para idosos: o PS compromete-se a alterar o limite mínimo sobre o qual incidem os cortes, mas mantendo a condição de recursos.

 

Não posso estar mais de acordo, atualmente o complemento social para idosos é para quem recebe menos de 4.909,00€/ano, ou seja, 409€/mês. Penso que esse limite poderia ir até ao valor do salário mínimo 485,00€. Contudo, essa medida iria trazer um aumento significativo na despesa pública. E não mencionar como pretende ter recursos para aumentar esse limite ou revogar os cortes no complemento é o mesmo que uma promessa politica, ou seja uma mentira. 

 

3.- Não despedir funcionários públicos: o PS é contra mecanismos forçados de mobilidade na Função Pública. Seguro prometeu ainda aumentar o salário mínimo.

 

Mais uma vez, uma promessa sem qualquer fundamentação. Apenas dizer o que todos querem ouvir, mas acredito que no futuro tenhamos condições para aumentar o salário mínimo. Dizer que não vai despedir funcionários públicos é uma coisa que me assusta e muito. É um facto que até à pouco tempo um funcionário público não tinha que se importar com a produtividade, pois sabia que era quase impossível um funcionário público ir para a rua. Eu sou a favor de um sistema rigoroso de avaliação aos funcionários públicos e caso eles não cumprem com o seu trabalho, não vejo mal em ser despedidos. Assim como, sou contra a contratação de funcionários públicos sem ser por mérito e por necessidade de determinado serviço, coisa que em Portugal pouco acontece. 

 

 

4.- Acabar com a sobretaxa de IRS: para compensar a receita arrecadada com a sobretaxa, o PS vai consignar a receita alcançada com medidas de combate à fraude e evasão fiscal à redução gradual da sobretaxa de IRS.

 

Sendo eu contra a corrupção e acreditar que a crise que estamos a passar se deve em parte à corrupção, apenas posso estar de acordo. Mas esse combate, deverá ser distinto, uma coisa é a utilização da corrupção para enriquecer, outra coisa é a corrupção por sobrevivência. Ambas são más e devem acabar, mas numa, os responsáveis devem de ser condenados e ter penalizações, na outra, deve-se criar mecanismos que se possa regularizar a situação. 

Se no primeiro caso estava a falar em privados, agora falo do público. Acabar com a corrupção dentro do estado é urgente, é inaceitável que possa acontecer, prejudicando os contribuintes em milhares de milhões, de centenas de casos serem de conhecimento da população, dos responsáveis não serem em nada prejudicados, e de continuarem a beneficiar do estado. Mas aqui culpo um pouco a população que é indiferente a toda esta situação. 

 

 

5.- Alcançar um novo acordo de concertação social: promover novos acordos de contratação colectiva.

 

Medo. Muito medo...

Se por um lado é importante contratar, por outro lado é importante haver uma contratação que se justifique. Uma parte do que estamos a passar teve origem na contratação injustificada para a função pública, do aumento de regalias.... apenas para ganhar votos. 

 

6.- Avançar com o Plano de Reindustrialização 4.0: Para Seguro é preciso "colocar a indústria no centro da economia". O plano de reindustrialização assenta num conjunto de políticas públicas assentes em três eixos: industrias com tradição, industrias com base em recursos endógenos e industrias de raiz. O secretário-geral socialista quer em 2020 metade do PIB nacional seja alcançado pela via das exportações.

 

Sou da opinião que temos um estado muito pesado e que beneficiamos muito pouco dele, o que é um contraditório. Mais uma vez não se pode dizer muito sobre uma intenção sem explicação de como se pretende fazer. Mas é importante aumentar as exportações, até porque temos tudo para o conseguir, quase tudo. Temos uma politica pública que que não favorece muito, e nesse ponto acho que podia haver medidas importantes, de resto temos tudo, mão de obra (qualificada e sem ser qualificada) boas instalações, excelente localização, excelente recursos naturais, e produtos de grande qualidade. 

 

 

7.- Na área do Mar, criar aEstação  Oceânica Internacional nos Açores

 

Seja o que for, acho que é necessário apenas estudar uma coisa muito simples, se o retorno compensa o investimento, se sim, acho que deveremos avançar. 

 

8.- Pacto para o emprego: "A nossa prioridade é desde sempre em prego, emprego, emprego", repetiu Seguro. A educação e a formação estão no centro deste pacto, que é "o principal instrumento de combate à pobreza e à exclusão"

 

O emprego obrigatóriamente terá que ser a prioridade dos próximos governos. Mas apostar apenas na formação como medida é um erro que estamos a pagar, hoje temos uma grande percentagem de jovens formados e sem emprego. A formação superior deveria ser toda repensada e adaptada às necessidades e exigencias do mercado atual e do mercado futuro. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:02

Programa cautelar vs Saída à Irlandesa ( saiba as diferenças)

por ., em 09.03.14

 

Vou tentar explicar o meu ponto de vista entre programa cautelar e uma saída à Irlandesa, as vantagens e as desvantagens de forma muito simplista. 

 

 

Saída à Irlandesa: Significa que vamos deixar de receber dinheiro do FMI, não estar dependentes do controlo e das normas da troika. O nosso financiamento passa exclusivamente pelos mercados, e são eles que ditam as regras. Teremos sempre algum controlo pelas instituições europeias de forma a garantir o pagamento dos empréstimos que temos vindo a receber por parte dessas instituições. 

 

 

Programa CautelarEste programa é uma rede de segurança que garante financiamento a Portugal caso o regresso aos mercados seja feito com taxas de juro demasiado elevadas. Neste caso, o Banco Central Europeu e  as instituições europeias vão exigir contrapartidas mas mais leves do que um segundo resgate. 

 

Só devemos sair à Irlandesa se os mercados nos estiverem a emprestar dinheiro a juros aceitáveis e que sejam suportáveis, mas os mercados são muito influenciáveis.

 

 

Escolher sair à Irlandesa o mais provável é que os juros subam, pois os mercados sabem que nós vamos ficar completamente dependentes deles e se alguma coisa correr mal não temos outra forma de financiamento, ou seja, maior é o risco e maior são os juros que exigem.  

 

Como disse, os mercados são muitos influenciáveis, quero com isto dizer, que se existir mais uma crise politica (ou mais uma birra politica), mais casos de corrupção, ou de má gestão de dinheiros públicos ( como sabemos isso é o prato do dia em Portugal) o juros vão subir e muito. Neste caso, não temos outra forma de financiamento a não ser pedir apoio às instituições europeias, voltamos ao inicio desde que veio a troika para Portugal. 

 

Sair à Irlandesa sem ter um plano a médio e longo prazo, que seja realizado de forma conjunto com os maiores partidos da oposição para mim é um crime. 

 

Reparem quem, até podemos traçar um caminho que possa ser "sustentável" a médio prazo, mas estamos quase em eleições e isso significa que o outro governo não tem nenhum compromisso em seguir o plano traçado pelo governo anterior. Ou seja, aos olhos dos mercados não temos nenhum plano a médio e longo prazo e isso representa um risco elevado, ou seja, um juro elevado que vamos ter que pagar. 

 

Um programa cautelar significa que se por alguma razão (e temos muitas razões para pensar nisso) os mercados nos deixarem de emprestar dinheiro a juros que sejam aceitáveis temos uma outra alternativa, uma outra forma de financiamento. 

 

Ao contrário da Irlanda, não temos um acordo a médio prazo entre os maiores partidos da oposição ( em vez disso, temos um sistema politico completamente corrupto e que apenas defendem os seus interesses), a nossa economia não é forte e o nossos sistema politico favorece a corrupção, a nossa justiça é escandalosa ( super influenciada pelos grandes grupos de interesse).... E com isto tudo querem ficar dependentes dos mercados que são muito sensiveis a tudo isto????

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:23



"A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo."

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


calendário

Maio 2017

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031